• Dr. Jonathan Hoffman

Visão geral do diagnóstico e Tratamento do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) no Transtorno do Es


Este artigo tem como objetivo fornecer uma atualização sobre um assunto muito oportuno e importante para tantos indivíduos afetados e seus entes queridos que estão diagnosticando e tratando o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) no contexto do Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).


Nos últimos anos aumentou o conhecimento de que os indivíduos do espectro autista também costumam apresentar os critérios de diagnóstico para uma ou mais condições psiquiátricas. Atualmente o TOC é bem reconhecido como um dos diagnósticos co-ocorrentes mais comuns. O TOC é uma condição potencialmente debilitante que se caracteriza por obsessões, para neutralizá-las os indíviduos realizam as compulsões (rituais) ou adotam comportamentos de evitação.


Diagnosticando TOC quando o TEA está presente:


É importante identificar a presença de TOC em pessoas com diagnóstico de TEA o mais rápido possível, para que possa ser tratado com eficácia. Sem tratamento adequado, o TOC pode ser progressivo, obstruindo o progresso do indivíduo e também afetando negativamente a família e outros entes queridos que, muitas vezes, não sabem o que fazer ou onde encontrar informações precisas ou bons recursos de tratamento.


O TOC pode ser difícil de identificar no contexto do Transtorno do Espectro Autista (TEA); com muita frequência, torna-se um diagnóstico atrasado ou perdido. Comportamentos Repetitivos Restritivos (CRRs) relacionados com TEA - por exemplo, alinhar ou focar excessivamente em certos objetos ou tópicos - pode ser muito parecido, ou se misturar com compulsões relacionadas ao TOC; portanto, eles podem ser muito difíceis de diferenciar. No entanto, enquanto os CRRs são frequentemente realizados para manter a mesmice ou para obter gratificação, as compulsões são tipicamente realizadas para reduzir o medo ou a ansiedade. Até o momento, não há um termo amplamente aceito para CRRs que são virtualmente indistinguíveis do TOC; uma possibilidade pode ser chamá-los de "comportamentos obsessivo-compulsivos".


O TOC pode ocorrer em crianças, adolescentes ou adultos no TEA. Crianças no espectro, no entanto, tendem a manifestar certos sintomas de TOC com menos frequência do que crianças diagnosticadas com TOC, mas não com TEA, por exemplo, obsessões sexuais ou religiosas.


Algumas questões como automutilação, agressão, depressão, ansiedade ou TDAH, podem disfarçar a presença de TOC em pessoas no espectro. Além disso, mesmo que achem seus sintomas de TOC problemáticos, as pessoas no espectro de TEA frequentemente não se comunicam ou não podem se comunicar com eficácia sobre eles. Ser extremamente literal também pode impedir o processo de diagnóstico para alguns desses indivíduos. Pais, ou mesmo profissionais de saúde, podem inferir erroneamente que os sintomas de TOC "são apenas parte do autismo". Na verdade, isso parece ter sido bastante comum no passado.


Não existe um teste médico ou psicológico definitivo para identificar o TOC, que uma pessoa autista possa fazer. A descoberta de qualquer teste individual deve ser considerada em relação a uma infinidade de outros fatores, por exemplo, as observações comportamentais do profissional e informações coletadas de membros da família ou professores, por exemplo. Portanto, o diagnóstico de TOC no contexto de TEA é, em última análise, de natureza clínica e depende da habilidade e perspicácia do profissional - especialmente quando se trata de separar CRRs e compulsões. O diagnóstico formal do TOC é feito de acordo com os critérios descritos no Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM) ou na Classificação Internacional de Doenças (CID). Dada sua prevalência, o rastreamento de rotina do TOC para qualquer pessoa que tenha sido diagnosticada com TEA é altamente sugerido. (O inverso também ocorre; o rastreamento de TEA para pessoas com diagnóstico de TOC também é uma boa ideia; o TEA é muito mais comum e não detectado entre pessoas com TOC do que a maioria das pessoas imagina).



Modificando o tratamento de TOC para TEA


O tratamento do TOC deve ser modificado significativamente em consideração ao TEA. Por exemplo, como regra geral, os conceitos de tratamento do TOC devem ser comunicados em termos especialmente claros, simplificados e comportamentais específicos e também deve haver uma maior incorporação de recursos visuais - em muitos casos, independentemente de a pessoa afetada ser altamente inteligente ou academicamente avançada. Além disso, é necessário haver mais foco em ajudar a generalizar o tratamento entre os ambientes, já que isso costuma ser uma preocupação nessa população. O tratamento do TOC nessa população é repleto de nuances, o que geralmente torna o tratamento mais complicado e demorado.


No TEA, o tratamento do TOC é idealmente colaborativo e utiliza uma abordagem de equipe interdisciplinar. Além disso, geralmente há uma necessidade de maior envolvimento da família e de outros cuidadores no processo, do que é típico do tratamento do TOC em geral. Frequentemente é necessário reduzir qualquer acomodação excessiva (permitir/possibilitar, pode-se dizer assim) dos sintomas de TOC na família, escola ou estrutura de trabalho. Os pais muitas vezes ficam perplexos com "o que é TEA e o que é TOC?" e incertos sobre qual comportamento é razoável para eles acomodar e qual não é.


O que acontece quando a família está disposta a receber avaliação e tratamento, mas a pessoa afetada não? Infelizmente, isso é muito comum. Frequentemente, um bom primeiro passo seria os membros da família consultarem um profissional que tenha experiência nessas situações e possa fornecer educação e orientação sobre a melhor maneira de proceder.


Ainda assim, em sua essência, o tratamento do TOC é tanto para pessoas no TEA quanto para aqueles sem TEA - seu esteio é uma forma de terapia cognitivo-comportamental (TCC) chamada Exposição e Prevenção de Reposta, abreviado como EPR. O EPR é um processo de tratamento que envolve desafiar sistematicamente pensamentos ou ações temidas, ao mesmo tempo que evita compulsões ou evitações. No TEA, entretanto, o EPR tende a se concentrar mais na prevenção de resposta do que na exposição. A realização de EPR é geralmente mais direta quanto menos sintomas de TOC estão entrelaçados com CRRs.


Os inibidores seletivos de recaptação de serotonina - SSRIs (por exemplo, Prozac ou Zoloft) são os principais medicamentos prescritos para o tratamento de TOC no contexto de TEA, assim como para qualquer outra pessoa com TOC. Os SSRIs costumam ser usados ​​em combinação com EPR, especialmente quando os sintomas de TOC são graves - no entanto, como com todos os medicamentos psiquiátricos, eles devem ser cuidadosamente adaptados aos perfis médicos e psicológicos específicos de qualquer pessoa com diagnóstico de TEA. No TEA, o TOC muito grave ou complexo pode justificar um tratamento intensivo ou residencial.


Mais que nunca existem vários estudos de TOC focalizando essa população. Muitos deles estão mostrando que crianças e adolescentes com diagnóstico de TEA podem responder muito bem ao tratamento apropriado do TOC - especialmente quando são verbais, podem entender seu TOC e estão motivadas para progredir. Muitos desses indivíduos teriam sido previamente diagnosticados com síndrome de Asperger; este diagnóstico agora está incluído na categoria TEA no DSM-5; no entanto, a síndrome de Asperger continua a ser um diagnóstico na CID-11, o que pode causar alguma confusão. São extremamente necessárias mais pesquisas relacionadas ao tratamento do TOC para adultos no TEA e para indivíduos menos verbais ou com deficiência intelectual.


Palavras Finais: O TOC que se apresenta no contexto do TEA é cada vez mais uma condição diagnosticável e tratável. No entanto, há uma grande necessidade de mais profissionais com experiência no diagnóstico e tratamento dessa comorbidade. Infelizmente, algumas áreas geográficas são muito carentes desses profissionais. No entanto, esta situação parece estar melhorando gradualmente graças às oportunidades de treinamento oferecidas pela The International OCD Foundation (IOCDF) e outras organizações.

41 views0 comments