Contact Our Team

Fill out the form below to get in touch with our team!

  • Please enter your name.
  • This isn't a valid email address.
    Please enter your email address.
  • This isn't a valid phone number.
    Please enter your phone number.
    You entered an invalid number.
    Please select an option.
Truly Collaborative Care Delivering Personalized Treatment

Questões Gerais I

Como eu sei se eu preciso de ajuda profissional para um problema comportamental, emocional ou questões da vida?

Quando as dificuldades são muito graves, há pouca dúvida sobre a necessidade de consultar um especialista em saúde mental. Para situações não óbvias, as orientações são para examinar os seguintes parâmetros – quanto tempo é consumido pelo problema; quanto o problema interfere com as atividades normais de vida, como a escola, o trabalho ou relacionamentos; e quanto sofrimento o problema está trazendo, tanto para a própria pessoa ou para aqueles que estão envolvidos na vida do indivíduo. Deixando os aspectos técnicos de lado, às vezes a melhor resposta pode ser encontrada por um autoexame honesto e rigoroso, ou atendendo as preocupações dos seus entes queridos. Lembre-se, é melhor descobrir que suas dificuldades não são tão ruins quanto você pensa, do que atrasar um tratamento necessário e acabar em uma condição cada vez mais grave. Nas questões de saúde mental, quanto mais cedo a intervenção ocorre, maiores são as chances de sucesso.

Como eu sei se a condição do meu filho justifica uma intervenção/avaliação profissional?

Essencialmente, a resposta aqui é aproximadamente o mesmo que para a pergunta acima. No entanto, nas crianças, particularmente crianças muito jovens, muitas vezes falta a autoconsciência necessária para dizer quando elas estão com um problema psicológico real. Elas também podem não ter as habilidades de comunicação para transmitir a extensão das suas dificuldades de forma eficaz para aqueles em posição de ajudá-los, assim como seus pais ou professores. É importante não buscar justificativa ou minimizar a necessidade de procurar ajuda profissional para seu filho, seja quando ele pede ajuda ou parece estar sempre estressado ou quando está mostrando declínios em seu funcionamento.

Quais os passos que eu preciso tomar se um membro da minha família ou eu mesmo preciso de atendimento psicológico?

Decidir que a ajuda profissional é necessária leva à questão muito complexa de como obter essa ajuda. Para muitos, começa pedindo uma indicação de um médico de família (é sempre uma boa ideia ter um check-up físico para descartar uma causa fisiológica específica.) Outros procuram a indicação de seu seguro de saúde ou plano de assistência do trabalho. Outros ainda, pedem a amigos de confiança ou vizinhos. Alguns fazem isso pesquisando na Internet. Seja qual for o caminho, é importante fazer essa primeira escolha. A procrastinação pode resultar na exacerbação de problemas psicológicos. Às vezes é necessário falar com alguns médicos antes de encontrar a melhor abordagem para você ou para um membro da família. A decisão de consultar um psiquiatra, psicólogo ou assistente social é complexa e deve ser cuidadosamente considerada.

O que eu faço se eu achar que um outro adulto em minha família precisa de ajuda, mas outras pessoas na família não concordam?

É muito comum que dentro da mesma família existam diferenças de opinião a respeito de se um membro de uma família tem problemas clinicamente significativos para a saúde mental ou de comportamento. Mesmo dentro de uma mesma família podem haver grandes diferenças nos níveis de educação e sensibilização para os problemas psicológicos, tendências para reagir a certos tipos de problemas da vida com minimização ou mesmo negação de que eles existam, e disposição para enfrentar as dificuldades da saúde mental. O estigma é outra questão. Para alguns, ter um problema de saúde mental em um membro da família é um motivo de constrangimento e vergonha.

É necessário muita convicção e coragem para fazer o que é necessário em face da oposição de entes queridos, mas às vezes não há outra escolha. Como se costuma dizer, “você não pode estar errado fazendo a coisa certa.” Se você está convencido de que seu familiar necessita ajuda, faça sua pesquisa, em seguida, fale com seus parentes pessoalmente, de uma maneira calma , sem julgamento. Sempre ajuda ter algum material escrito ou sites para discutir com eles. Então você pode dar-lhes as informações de contato dos recursos que você encontrou. Claro, se eles são incapazes ou se recusarem a participar neste processo, você provavelmente terá que fazer o que é necessário, sem o seu consentimento. Tente não se concentrar sobre os ressentimentos que você pode estar recebendo agora, mas no agradecimento, e se não, a auto satisfação que você pode receber, a longo prazo de ter agido no melhor interesse do seu ente querido.

Inspirational Stories

  • “I finally found doctors who understood me and my thoughts. I had felt so alone, helpless and scared. After meeting Dr Moritz I was at ease, she and the other doctors at NBI were all trained in the treatment of OCD.”

    M.L.

  • “The excellent care I received at the hands of NBI’s skilled and experienced practitioners made a real difference.”

    M.T.

  • “Went above and beyond for me and my family, and would not accept anything less than seeing me through to a healthy life.”

    E.S.

  • “My life changed for the better, plain and simple.”

    R.H

  • CogMed Working Memory Training
  • Association of Psychology Postdoctoral Internship Centers (APPIC
  • American Board of Professional Psychology
  • International OCD Foundation